• Andréa Rodrigues

Romênia, Montenegro e Brasil desligam atletas às vésperas do Mundial

Notificação por suspeita de doping em jogadoras do clube romeno Corona Brasov faz seleções cortarem atletas a dez dias do início do torneio de handebol

Equipe do Corona Brasov (Romênia) foto:Divulgação site da equipe

Na última segunda-feira (18/nov) a comunidade do handebol foi abalada por uma notícia divulgada pelo site gsp.ro de que o clube romeno Corona Brasov é suspeito de submeter suas jogadoras a um procedimento considerado doping. Com isso, seis atletas foram desligadas de suas seleções e não vão mais ao Campeonato Mundial Feminino de Handebol. São elas: Ivona Pavicevic, de Montenegro; Elaine Gomes, do Brasil; Eliza Buceschi, Daria Bacur, Cristina Laslo e Bianca Bazalin, da Romênia. As três últimas atletas foram notificadas pela Agência Nacional Antidopagem (ANAD) por terem sido tratadas com o laser intravenoso, que está na lista de doping da Agência Mundial Antidoping (Wada, na sigla em inglês).


De acordo com os procedimentos da ANAD, as atletas notificadas têm 10 dias para comparecer às audiências e apresentar suas defesas. O presidente do Comitê Olímpico Romeno Dito Mihai Covaliu disse ao site gsp.ro que "o Comitê Olímpico e Esportivo da Romênia apoia o desempenho e um esporte limpo. Por enquanto, as jogadoras de handebol que foram notificadas pela ANAD são suspeitas. Há etapas que precisam ser seguidas e qualquer um de nossos comentários pode influenciar. Não o faremos, mas acreditamos que os envolvidos irão esclarecer neste caso de todos os pontos de vista. O que nos preocupa é: quanto a atmosfera foi influenciada pela seleção nacional de handebol que vai ao Campeonato do Mundo no Japão, uma competição que você sabe que qualifica para as Olimpíadas de Tóquio.”


O presidente da Federação Romena de Handebol Alexandru Dedu disse hoje, em entrevista coletiva, que até que se prove o contrário, as jogadoras são inocentes. “Espero, de toda a minha alma, que seja apenas um erro. Sinto muito pelo time de Brasov, porque haviam jogadoras de alta qualidade, que praticam um belo handebol. Estamos chateados porque essas garotas têm valor e fizeram parte de uma estratégia preparada em conjunto, e a EHF sugeriu fortemente que essas jogadoras não chegassem ao Campeonato do Mundo. Em relação a este caso, existem instituições autorizadas a fazer seu trabalho”, concluiu Dedu.


O reflexo na Seleção Brasileira Feminina

A pivô Elaine Gomes, que se transferiu para a Romênia nessa temporada e atua na equipe do Corona Brasov, acabou sendo desligada preventivamente da Seleção Brasileira de Handebol que vai disputar o Mundial partir do dia 30 de novembro. Contra a atleta não há nenhuma acusação, mas a Confederação Brasileira de Handebol (CBHb) optou por preservar a jogadora e o grupo nacional, já que o caso ainda está sendo apurado e não se sabe quais consequências podem ter. “A CBHb está acompanhando o caso e dando todo o suporte à atleta que fez parte do elenco campeão do Mundo em 2013”, informou a Confederação em comunicado assinado pelo presidente em exercício Ricardo Souza.


Manifestação de Cristina Neagu

A multicampeã Cristina Neagu, que joga no CSM Bucuresti, se manifestou hoje pela sua conta no Instagram sobre a situação das atletas do Corona Brasov. Neagu foi eleita por três vezes a melhor jogadora do mundo (2010, 2015 e 2016) e é a maior referência na seleção romena.

“Hoje vamos ao Japão e em 10 dias começamos o Campeonato do Mundo contra a Espanha. Estamos com as meninas que ficaram em casa e esperamos que essa situação seja resolvida o mais rápido possível. Sabemos que elas vão transmitir toda a sua energia para nós. Vamos Romênia!”, postou Neagu.

O que diz o Corona Brasov

O gerente do CSM Corona Brasov Liviu Dragomir disse que fará tudo para provar que o procedimento foi realizado como uma forma de recuperação médica e para não aumentar o desempenho.

“A decisão de fazer esse tratamento foi tomada após discussão com a clínica e o médico da equipe e após a garantia de que o procedimento não é proibido. A suspeita que se espalha sobre nós é muito séria e as implicações são muito grandes, razão pela qual devemos fazer tudo para provar que as suspeitas são injustificadas. O Corona Club não queria nada além de garantir boas condições de todos os pontos de vista e implicitamente e de recuperação médica para os atletas da seção de handebol, que acumularam cansaço e sofreram doenças mais antigas”, informou o clube, em comunicado.


O que diz o laboratório

O IOMED Clinique foi o laboratório responsável por realizar o procedimento com as atletas do Corona Brasov. Veja a explicação publicada no site do clube sobre o tratamento:

“O principal objetivo do tratamento no caso de dor e condições degenerativas é melhorar a função e a mobilidade das estruturas afetadas. Ao estimular o metabolismo celular, como resultado da exposição ao feixe de luz cuja frequência máxima é SmW, os processos de cicatrização são acelerados, é obtido um sono mais qualitativo, reduzindo assim a sensação de fadiga. O principal objetivo do tratamento no caso de dor e condições degenerativas é melhorar a função e a mobilidade das estruturas afetadas. Ao estimular o metabolismo celular, como resultado da exposição ao feixe de luz cuja frequência máxima é SmW, os processos de cicatrização são acelerados, é obtido um sono mais qualitativo, reduzindo assim a sensação de fadiga.”


O que é o laser intravenoso?

A Terapia de Irradiação do Sangue é um procedimento no qual o sangue é exposto à luz de baixa potência com finalidades terapêuticas. O Laser intravenoso, ou a chamada ILIB (Intravascular Laser Irradiation of Blood, em inglês) é uma técnica que irradia laser terapêutico para a artéria radial, parte que fica localizada próxima à região do punho no corpo humano. Essa irradiação é jogada na corrente sanguínea, de forma não-invasiva.

A terapia possui ação vasodilatadora, aumenta a oxigenação, nutre os tecidos, remove toxinas e melhora o processo da homeostase. Além das vantagens para a aparência da pele, a ILIB tem muitos benefícios para a saúde como um todo. Cicatrizações, doenças do sistema respiratório, asma, tabagismo, diabetes, doenças inflamatórias, cardiovasculares e do sistema vascular periférico também podem ser tratadas com a técnica.