Mundial do Egito em alerta contra a Covid-19

Várias seleções enfrentam casos positivos da doença e perdem jogadores importantes

O Mundial do Egito começa oficialmente na quarta-feira, dia 13 de janeiro. No entanto, apesar de todos os protocolos, a preocupação com o vírus da Covid-19 preocupa, e muito, o comitê organizador do evento e a Federação Internacional de Handebol (IHF).


Várias seleções apresentam jogadores e comissões com casos positivos para a doença. Veja as principais notícias do Mundial do Egito:


• A Seleção Brasileira de Handebol Masculino, que treina em Portugal para o Mundial do Egito, tem cinco casos positivos de Covid-19. Novos testes foram realizados nessa segunda e os resultados serão conhecidos nesta terça-feira.


• A seleção de Cabo Verde, que está no Grupo A do Mundial, tem sete casos positivos de coronavírus. A equipe está treinando em Lisboa, capital de Portugal.


• A seleção da República Tcheca, que está no Grupo G do Mundial, tem nove jogadores e seis membros da equipe com resultado positivo. A delegação adiou a chegada ao Egito para a manhã de quarta-feira.


• Toda a equipe da Suécia esteve em confinamento individual até essa segunda-feira depois que o jogador Anton Lindskog testou positivo para Covid-19. A Suécia também está no grupo G.


• O Mundial do Egito será jogado sem público. A decisão foi tomada após 14 capitães de seleções europeias enviarem carta à IHF criticando a decisão que permitia 20% de público nos ginásios.


• No Mundial do Egito também não haverá qualquer mídia local ou internacional, de fora da bolha do torneio, nos ginásios. As coletivas de imprensa serão disponibilizadas nos canais de mídia social do evento.