• Andréa Rodrigues

Brasil enfrenta Montenegro em busca da classificação no Mundial Feminino de Handebol


Vitória garante a equipe nas oitavas de final do campeonato disputado na Alemanha


O Brasil faz, nesta sexta-feira (8), o último jogo da fase classificatória do Mundial Feminino de Handebol, um confronto decisivo para a qualificação da equipe para as oitavas de final. Com três pontos somados em uma vitória (Tunísia) e um empate (Japão), a equipe precisa vencer Montenegro, que conta com quatro pontos até agora. O confronto está marcado para as 14h45 (horário de Brasília), com transmissão dos canais SporTV e ESPN.

A Seleção fez na tarde de hoje o último treino antes do próximo embate, com ações claramente focadas para barrar as adversárias. "Trabalhamos em melhorar a defesa encima dos procedimentos táticos de Montenegro para saber como podemos ajustá-los e saber onde podem nos causar perigo. Eles realizam movimentos táticos muito bem, por isso, temos que saber defender bem", relatou o técnico do Brasil, Jorge Dueñas. "Na segunda parte trabalhamos o ataque para que ele esteja melhor preparado e que todas as jogadoras possam ter intenção de atacar. Por último treinamos o sete contra seis como um recurso caso no momento do ataque tenhamos mais dificuldade e possamos ter outra solução", acrescentou.


O treinador ressalta que é preciso jogar com tranquilidade. "Tivemos pressão desde o início do Mundial. Desde o primeiro jogo contra o Japão, quando não tivemos um bom começo de jogo, fez com que nosso rendimento fosse prejudicado. Amanhã logicamente será um jogo de nervos e precisamos ter um controle. Sei que o Brasil vai entrar com força total, mas temos que ter um controle mental, de ansiedade, mas no geral a equipe está cumprindo a imagem de um time lutador, guerreiro. Porém, precisamos ter também um pouco de controle, o que nos tem faltado em alguns momentos. Precisamos ter tranquilidade, sabendo que será uma partida de mata-mata e temos que jogar como se fossem as oitavas de final."

A goleira e capitã Bárbara Arenhart disse que o time fez uma boa preparação focado no estilo de jogo das adversárias. "Treinamos muito a questão disciplinar, de jogar encima do que é tático. As principais jogadoras delas são a Bulatovic, a ponta direita e a conexão delas com a pivô. Temos que jogar conscientes de que elas não vão parar de atacar em nenhum momento. Temos que aumentar nossa quantidade de ataques, que é o que falta para que possamos fazer mais gols e abrir uma vantagem encima delas. É um time pesado e estamos tentando focar na continuidade para para tentar ganhar a vantagem encima da lentidão delas com a nossa agilidade", explicou.


Ela aponta o crescimento do Brasil ao longo da competição e acredita que amanhã a equipe pode sair com um bom resultado. "Já melhoramos muito a questão da concentração contra a Rússia. Ontem foi um jogo que perdemos nos detalhes. Erramos arremessos no final que não podíamos ter errado, mas já somos outra equipe. Acredito que se jogarmos com o mesmo empenho e concentração que jogamos ontem, ganhamos o jogo, e vamos dar tudo para que isso aconteça", encerrou.

Nas estatísticas individuais o Brasil tem destaque na artilharia. Ana Paula Rodrigues é a segunda atleta do campeonato com o maior número de gols, 26 no total. Eduarda Amorim é a oitava, com 21.


O Brasil está no Grupo C da competição e, neste momento, está em quarto lugar com três pontos. A Rússia, campeã olímpica, tem oito e já está classificada, assim como a Dinamarca, que tem seis. Montenegro (quatro pontos), Brasil (três) e Japão (três) brigam por duas vagas.

Faça as contas:

Se o Brasil vencer:

Garante a passagem para a próxima fase

Se empatar:

Só avança se o Japão não vencer a Tunísia (as africanas são as lanternas, perderam todos os jogos e não tem mais chances de classificação)

Se perder

O Brasil avança se o Japão também perder, desde que o revés brasileiro não seja por cinco gols a mais que a derrota nipônica.

►Por exemplo: Se o Brasil perder por sete gols de diferença, e o Japão cair por três, a seleção verde-amarela avança. Se o Brasil perder por sete gols, mas o Japão perder por só um, quem passa é o Japão

►É importante também, em caso de classificação, avançar na melhor posição possível no grupo, para fugir do confronto contra a líder do grupo D (que pode ser a Alemanha, dona da casa). É possível que a seleção passe em terceiro na chave. Para isso:

- Precisa vencer Montenegro

- Torcer para que o Japão não ganhe da Tunísia por uma diferença superior a cinco gols do placar obtido pela seleção

Por exemplo: Se o Brasil ganhar por três gols de diferença de Montenegro, o Japão pode ganhar de oito da Tunísia que, ainda assim, a seleção verde-amarela fica na frente.

►Atenção: o jogo do Brasil é depois do Japão, ou seja, a seleção já saberá o que precisa fazer para deixar as nipônicas para trás.

Além da partida entre Brasil e Montenegro, o grupo C também conta com os confrontos entre Japão e Tunísia, às 9h, e Rússia e Dinamarca, às 17h30.

RESULTADOS - Primeira Fase - Grupo C

Sábado (02/12) Rússia 36 x 16 Tunísia Brasil 28 x 28 Japão Dinamarca 24 x 31 Montenegro

Domingo (03/12) Tunísia 22 x 23 Brasil Montenegro 23 x 24 Rússia Japão 18 x 32 Dinamarca

Terça-feira (05/12) Montenegro 28 x 29 Japão Rússia 24 x 16 Brasil Dinamarca 37 x 19 Tunísia

Quarta-feira (06/12) Rússia 29 x 28 Japão Tunísia 23 x 29 Montenegro Brasil 20 x 22 Dinamarca

PRÓXIMOS JOGOS - Grupo C

Sexta-feira (08/12) 09H00 - Japão x Tunísia 14h45 - Brasil x Montenegro 17h30 - Dinamarca x Rússia

Seleção Feminina

Goleiras

Bárbara Arenhart (Vaci NKSE-Hungria)

Mayssa Pessoa (Rostov Don-Rússia).

Armadoras

Deonise Fachinello (CS Magura Cisnadie-Romênia)

Eduarda Amorim (Gyori Audi ETO-Hungria)

Karoline Souza (Vaci NKSE-Hungria)

Patrícia Batista da Silva (Thuringer-Alemanha).

Centrais

Ana Paula Rodrigues Belo (Rostov Don-Rússia)

Danielle Jóia (Pinheiros-SP)

Patrícia Matieli Machado (Vistal Gdynia-Polônia).

Pontas

Dayane Pires da Rocha (São Bernardo/Unip-SP)

Jéssica Quintino (HC Odense-Polônia)

Mariana Costa (CS Magura Cisnadie-Romênia)

Samira Rocha (Kisvarda Master Good-Hungria).

Pivôs

Lígia Costa (Pogon Szczecin-Polônia)

Tamires Anselmo Costa (Pinheiros-SP)

Tamires Morena-(Larvik Handball Klubb-Noruega).

Comissão técnica

Técnico: Jorge Dueñas Supervisor: Álvaro Herdeiro Assistente técnico: Cristiano Rocha Auxiliar técnico: Sérgio Graciano Médica: Pauline Buckley Fisioterapeuta: Marina Calister Nutricionista: Júlia do Valle Bargieri

#noticias #handebolnacional #seleçãoadultaf #SeleçãoBrasileiraHandebol

0 visualização