• Andréa Rodrigues

Super Paulistão Feminino de Handebol 2016


Taubaté/FAB/Unital entra na competição e agora são 11 equipes na disputa pelo título estadual.


O Super Paulistão Feminino de Handebol vai ter a participação de 11 equipes, já que Taubaté entrou na disputa da categoria adulto após fechar parceira com a FAB. Em um ano de crescente crise financeira no País e em ano de eleições, muitas equipes demoraram a definir seus elencos por causa da indefinição de orçamento. A falta de recursos atinge equipes tradicionais, como São Bernardo, nove vezes campeã do Super Paulistão, que este ano terá uma equipe mais enxuta, e também São José dos Campos, a terceira força do handebol do estado paulista.

Duas equipes deixaram a disputa neste ano: Piracicaba – também pelo motivo de restrição orçamentária – e Jundiaí, que manteve apenas categorias de base na competição. A Associação Campineira de Handebol (ACH) está na disputa, mas abriu mão de outras competições que participava para se concentrar no Super Paulistão.

A novidade é a chegada de São Caetano, que volta à disputa feminina com reforços de peso, como a goleira Jéssica, da Seleção Brasileira Feminina de Handebol. Tem também a parceira Taubaté/FAB. Além dessa renovada equipe, os times de São Paulo estão recebendo outros reforços de fora do estado, já que a equipe de Caxias do Sul (RS), a Apahand, terminou e as equipes do Paraná também enfrentam dificuldades em manter seus elencos. Algumas atletas do adulto de Jundiaí também encontraram colocação nas equipes antes “adversárias”.

A Tchê Esportes conta como estão as equipes que participam do Super Paulistão.

Taubaté/FAB/Unital:


Patrícia Batista defende Taubaté/FAB no Super Paulistão 2016. (foto arquivo Tchê Esportes)

A equipe da FAB, que atuava em parceira com o Vasco da Gama, no Rio de Janeiro, passa agora a atuar por Taubaté, cidade distante cerca de 140 quilômetros da capital paulista. Com isso, o município que já tem a forte equipe masculina campeã do Super Paulistão 2015 e tri-campeã pan-americana de clubes, passa a ter também uma competitiva equipe adulta feminina. São 16 atletas que chegam para se juntar às sete jogadoras que já atuavam no time (1 adulta e 6 juvenis). Do Rio vieram: Patricia Batista da Silva - que é campeã mundial universitária -, Juliana Mendes Gomes, Fabiula Areias dos Santos, Vanessa Marcelli Gonçalves Reis, Shayane Faria de Oliveira, Juliana de Oliveira Gomes Vicente, Erika Ferreira Siqueira, Natalia Girotto, Débora dos Santos Tavares, Rosária Elizabete da Silva, Fabiane da Silva Santos; Cássia Santos Ribeiro, Jerusa Ferreira Dias, Vanessa da Silva Ferreira, Jessica Louise de Sousa Suzano Costa de Azevedo e Nadyne Keller Morcineck

São Bernardo/Metodista:


Célia Costa, ponta artilheira, segue em São Bernardo em 2016. (foto arquivo Tchê Esportes)

A atual campeã do Super Paulistão Feminino de Handebol passou por uma grande reformulação na equipe e agora chama-se São Bernardo/Metodista devido ao apoio maior da prefeitura de São Bernardo do Campo (SP). O time, que também é campeão da Liga Nacional, perdeu seis jogadoras importantes: as armadoras Tainara Luna, que foi para a Noruega, e Patricia Matieli, que foi jogar na Polônia; a ponta esquerda Daniele Lira, a Red, que foi para a Espanha; a meia direita Bárbara Burato, que está na Turquia; e as armadoras Thamiris Duarte e Priscila Santos, que transferiram-se para Santo André.


Livia Horácio segue no elenco de São Bernardo em 2016. (foto arquivo Tchê Esportes)

O técnico Eduardo Carlone manteve a base com jogadoras jovens e que já foram convocadas para Seleção Brasileira Junior, como Mariane Oliveira. Além disso, conta com a experiência da ponta direita da Seleção Brasileira Célia Costa e da pivô campeã mundial universitária Livia Horácio.


Debora Hannan defende São Bernardo em 2016. (foto arquivo Tchê Esportes)

Para compor o elenco chegou a armadora Maria Paula, de Blumenau, e a equipe fechou também a volta da central Deborah Hannah - campeã mundial adulta -, que na temporada passada esteve no Esporte Clube Pinheiros, mas não atuou devido a uma nova lesão no joelho.

Esporte Clube Pinheiros:


Mayara Fier, central, se recupera de uma cirurgia no joelho. (foto André Pereira / Tchê Esportes)

Segundo o técnico Alex Aprile o grande mérito do Pinheiros foi ter mantido a jovem equipe vice-campeã do Super Paulistão, em um início de temporada com times cheios de modificações. O elenco conta também com a experiente armadora Giorgia Marcio e a ponta direita Isabelle Medeiros, ambas campeãs mundiais universitárias, e com a central Gabriela Pessoa, da Seleção Brasileira Adulta de handebol.

As únicas baixas foram a central Deborah Hannah, que não jogou em 2015 devido à cirurgia no joelho, a armadora Camila Leal e a goleira Agatha Santos Silva, que parou de jogar.


Goleira Nubia Ramos, reforça a equipe em 2016. (foto André Pereira / Tchê Esportes)

O reforço veio de Caxias do Sul (RS) com a armadora Juliana Borges Lima e o aproveitamento de atletas da base, como da goleira Nubia Ramos, que é irmã da campeã mundial universitária Tatiana Ramos, e da ponta direita Nicole Damascena. Além disso, a equipe espera pela volta, possivelmente em maio, da armadora central campeã mundial, Mayara Fier, que se recupera de uma segunda cirurgia no joelho.

São José:


Patricia Jesus segue no São José em 2016. (foto arquivo Tchê Esportes)

O time terceiro colocado no Super Paulistão 2015 só definiu o time na última semana e agora inicia os treinamentos com uma equipe enxuta, mas experiente.

De novidades houve a volta da armadora Dayana Clark, que atuou por Osasco no ano passado; a vinda de Bianca Silva, também armadora, de Jundiaí, e a contratação da goleira Bárbara Louise que veio do Clube Português do Recife.


Dayana Clark, ex-Osasco, de volta ao São José. (foto arquivo Tchê Esportes)

Elas se juntam à central Jéssica Dias, a pivô Verônica Vasconcelos e às armadoras Bruna Paula e Patrícia Jesus, as duas últimas com várias convocações para a Seleção Brasileira principal. Deixaram a equipe as irmãs Bruna e Franciele Horn e a armadora/ponta Monica Gabriel.

Santo André:


Dayana, Thamiris Duarte e Priscila Santos. Reforços importantes. (foto André Pereira / Tchê Esportes)

O time do ABC voltou aos treinos no dia 15 de fevereiro com uma equipe bastante modificada, mas buscando manter a principal característica, que é a defesa forte. Depois de um 2015 com muitos problemas de lesões o técnico Rubens Piazza começa a temporada com apenas uma atleta ainda em tratamento médico, a ponta direita Duda Vieira.


Larissa Silva, jogou pelo Jundiaí em 2015, agora no Santo André. (foto arquivo Tchê Esportes)

Para reforçar a equipe foram contratadas a pivô Dayana Lemos, que jogou pela Associação Campineira de Handebol (ACH) em 2015; as armadoras Thamiris Duarte e Priscila dos Santos, que eram da Metodista; e Lary Silva, também armadora, que veio de Jundiaí. Saíram: a ponta esquerda Baby, as armadoras Adriana Morais e Vitória Macedo, e a pivô Carol Fajardo. Já pivô Alessandra Nascimento deixou as quadras.

Osasco:


Baby, ex-Santo André, reforça Osasco em 2016. (foto arquivo Tchê Esportes)

Osasco montou um time bastante competitivo em 2015 e ficou no quinto lugar no Super Paulistão, apesar dos muitos problemas enfrentados fora das quadras. A equipe participa do Super Paulistão e terá o reforço da ponta esquerda Cristiane Santos, a Baby, que veio de Santo André.

Segundo a técnica Renata Hernandes, a ideia é somar experiência e maturidade à equipe. O destaque é a manutenção da jovem armadora Thaís Marcondes, que foi artilheira e melhor da equipe em vários jogos do Super Paulistão do ano passado.


Armadora de Osasco, Thaís Marcondes, permanece em 2016. (foto arquivo Tchê Esportes)

O time terá também a volta da goleira Karina Prado, que se recuperou de lesão. As baixas confirmadas são da armadora Bruna Caroline, que se transferiu para Guarulhos, e da armadora Dayana Clark, que voltou para São José dos Campos, além das goleiras Francesca Gubert e Natália Pinto.

Guarulhos:


Bruna Caroline, ex-Osasco, defende Guarulhos em 2016. (foto arquivo Tchê Esportes)

O time da técnica Margarida Conte, a Meg, foi sétima colocada no Super Paulistão Feminino de Handebol e neste ano vem cheio de reforços que se juntam a jogadoras importantes para a equipe, como a armadora Greyce Santos. Para a ponta esquerda chegaram Bruna Caroline (ex-Osasco) e Gabriela Silva (ex-Londrina), as armadoras Larissa Ferdanda (ex-Matias Barbosa) e Bárbara Slovak (ex-Diadema), a pivô Jessica Rodrigues Pereira (ex-ribeirão Pires), a goleira Lydia Silva (ex-Matias Barbosa) e a armadora e ponta direita Adriana Morais (ex-Santo André). Larissa Silva participa da Seleção Brasileira Junior.


Adriana Morais, ex-Santo André, é reforço de Osasco em 2016. (foto arquivo Tchê Esportes)

A central Deborah Hannah, campeã mundial em 2013 com a Seleção adulta, chegou a ser anunciada em algumas redes sociais como contratada, mas segundo informações da própria equipe as negociações não avançaram. A ponta esquerda Amanda Santos deixou a equipe.

Santos:


Artilheira, do CEPE/Santos, Bruna Dias, continua na equipe em 2016. (foto arquivo Tchê Esportes)

Depois de um ótimo primeiro turno no Super Paulistão, onde ficou entre as quatro primeiras equipes, o time da baixada caiu de rendimento no segundo turno e viu uma de suas principais jogadoras, a pivô Tamires Anselmo, sofrer uma cirurgia no quadril. A previsão é de que ela volte a jogar em abril.

Para este ano, houve dispensas e chegaram vários reforços. Saíram a armadora Ananda Cardoso, que apesar de ter propostas de outras equipes parou de jogar para se dedicar à carreira de educadora física, e a goleira Raissa Borges. Entre os reforços, foram contratadas três jogadoras que fazem parte da Seleção Colombiana: a armadora central Susana Estrada, a ponta esquerda Veronica Mazo e a goleira Luisa Pineda.

Também chegaram outras duas goleiras: Tuanna Letícia, que estava em Caxias do Sul (RS), e Aline Massaro, do Paraná. Thaís Mello, que joga de pivô, central e ponta direita veio de Novo Hamburgo (RS). Além disso, da Argentina vem Noelia Salla, do River Plate, e que já fez parte da Seleção do país. As estrangeiras chegam ao Brasil na próxima semana, entre os dias 7 e 10 de março e se juntam a atletas que já faziam parte do elenco, como a armadora Bruna Dias, destaque em várias partidas do Super Paulistão.

ACH:


Equipe da técnica Jaqueline com várias baixas para 2016. (foto arquivo Tchê Esportes)

A Associação Campineira de Handebol (ACH) voltou ao Super Paulistão em 2015 dando continuidade ao projeto de fazer com que Campinas volte a ser um importante e forte pólo do handebol. No entanto, ao longo da temporada a equipe enfrentou problemas financeiros e de lesões, que em algumas vezes fizeram o time jogar com apenas uma atleta no banco.

Para este ano a ACH teve muitas mudanças, inclusive na equipe técnica. A assistente Mayara Malafaia saiu para se reorganizar profissionalmente, já que será voluntária nas Olimpíadas do Rio 2016. Para encontrar novas atletas, a técnica Jaqueline Oliveira realizou seletivas e também negocia a vinda de algumas atletas de fora do estado: uma pivô, uma ponta direita e uma armadora.


Thalita Saraiva, continua a defender a equipe em 2016. (foto arquivo Tchê Esportes)

Ficaram as jogadoras Thalita Saraiva, convocada para a Seleção Brasileira Junior no final do ano passado, Yara Dwayne, e Jenety Fernandes, a Jay. A armadora Amanda, que se machucou na primeira partida da equipe no Super Paulistão 2015 volta esse ano.

Várias jogadoras deixaram o time, como a pivô Tayane Oliveira, que está se dedicando ao Beach Hand, e a Dayana Sales, que foi para Santo André, além de Rafaela Malandrin e a capitã Mara Destro.

Franca:


Técnico Anderson ainda está definindo equipe. (foto arquivo Tchê Esportes)

A equipe ainda está sendo montada pelo técnico Anderson Carneiro, que trouxe a central Lidiane Aparecida Pinto, a armadora direita e Francieli Bianchini, e Mariana de Toledo e Mariana Manicardi, ambas também na armação.


Equipe de Franca sofreu com muitas lesões em 2015. (foto arquivo Tchê Esportes)

Ainda são aguardadas duas novas atletas, e o técnico diz que esse ano a equipe vem mais competitiva para a disputa, após um 2015 cheio de problemas de saúde de algumas atletas e até mesmo de lesões que desfalcaram Franca na maioria das partidas. Duas ainda estão afastadas, e quatro meninas da base serão incorporadas ao time principal.

São Caetano:


Dani Joia, Vitória Macedo e Carolina Fajardo. Contratações do São Caetano. (foto arquivo Tchê Esportes)

O São Caetano está de volta ao Super Paulistão Feminino Adulto e fez contratações para dar experiência à base Junior, que foi vice-campeã estadual da categoria em 2015. O técnico Flavio Pontes trouxe a central Dani Joia, campeã mundial universitária e que estava em Caxias do Sul (RS) e a colega no mesmo mundial, a pivô Carolina Fajardo. Ela e a armadora esquerda Vitória Macedo estavam em Santo André. Outra contratação de peso é a goleira da Seleção Brasileira adulta Jéssica Oliveira, que atuava em Concórdia (SC). Os treinos da equipe iniciaram na segunda-feira, dia 22 de fevereiro.

Super Paulistão Feminino de Handebol 2016

Confirmados

  1. ACH

  2. CEPE/Santos

  3. EC Pinheiros

  4. Franca

  5. Guarulhos

  6. Osasco

  7. Santo André

  8. São Bernardo

  9. São Caetano

  10. São José dos Campos

  11. Taubaté

Não participam

  • 15 de Piracicaba

  • Jundiaí

#superpaulistão #handebolfeminino #spf2016 #sãobernardofeminino #metodistafeminino #sãojoséfeminino #francafeminino #pinheirosfeminino #guarulhosfeminino #sãocaetanofeminino #osascofeminino #cepesantosfeminino #santoandréfeminino #jundiaífeminino #taubatéfeminino #15depiracicabafeminino #noticias

0 visualização