• Andréa Rodrigues

Por dentro dos treinos no núcleo Inter Norte


Unidade do projeto Genoma Colorado prepara os garotos para integrarem as categorias de base do Sport Club Internacional.


Quarta-feira, pré-Natal. Enquanto a maioria dos jogadores de futebol já estão de folga, os jovens atletas do núcleo Inter Norte, em Porto Alegre, do projeto Genoma Colorado, treinam forte. Na semana antes da comemoração de Ano Novo, tudo se repete. É preciso estar preparado para disputar dois torneios em sequência já a partir da primeira semana de 2016. Um em Laguna (SC) e outro em Três Coroas (RS). A Tchê Esportes acompanhou a rotina de treinos do Pré-Mirim ao Junior, desde a preparação física ao recreativo.


Butiá, treinador no Núcleo Inter Norte. (foto André Pereira / Tchê Esportes)

“Eu sou forte. Quem faz o que eu digo, chega lá (no Inter), profetiza o técnico Butiá, das equipes Pré-Mirim e Mirim do Inter Norte. De fato, o Sport Club Internacional já está de olho em atletas do núcleo, que vão passar por avaliações e podem integrar a base do clube a partir de março.


Butiá em treino do Inter Norte. (foto André Pereira / Tchê Esportes)

Butiá destina atenção a cada atleta, corrige postura, cobra disciplina, ensina fundamentos, para o treino coletivo para mostrar as opções de jogadas quando alguém não fez a melhor escolha. “Em duas semanas eu montei um time que foi campeão”, orgulha-se Butiá.

São quatro treinos por semana, durante duas horas. Pré-Mirim e Mirim treinam juntos. Infantil, Juvenil e Junior também. Nessas duas categorias o trabalho é diferente, o foco é muito mais na parte tática e física.


Andreia, preparadora física no Núcleo Inter Norte. (foto André Pereira / Tchê Esportes)

“Nessas categorias não dá pra gente cobrar fundamento. Eles têm que estar prontos e o trabalho físico é mais forte”, conta Andreia Steffanello Pereira, preparadora física das categorias maiores.


Gil, treinador e vice-diretor do Inter Norte. (foto André Pereira / Tchê Esportes)

“Eu digo que eles (pequenos) são um copo vazio. O Butiá vai enchendo de conhecimento. Quando eles vêm pra mim, já são um copo cheio”, compara Gilson Mendonça, o Gil, para explicar as diferenças nos treinos e na cobrança com os garotos. Treinador do Infantil, Juvenil e Junior, Gil é brincalhão, alegre, mas nem por isso menos exigente com os 138 atletas sob seu comando.


Gil orientando treino no Núcleo Inter Norte. (foto André Pereira / Tchê Esportes)

Enquanto conversa com a reportagem da Tchê Esportes, interrompe para chamar atenção. “Que passe foi esse?”, grita pra um. “Cai pra dentro!”, orienta outro.

Por ali, à beira do campo ao lado do Beira-Rio sempre ficam pais-torcedores-incentivadores. E atento à toda a movimentação está Silvio Mendonça, diretor do Inter Norte. É ele que observa não só os atletas, mas principalmente o trabalho realizado pelos treinadores e preparadores físicos.


Silvio, ao centro, diretor do Inter Norte. (foto André Pereira / Tchê Esportes)

“Esse não é melhor campo para o treinamento, devido às condições. Mas estrategicamente é muito bom. Estamos ao lado do Beira-Rio e isso é um incentivo para os garotos, que olham todo dia o estádio onde eles querem jogar um dia”, finaliza Silvio.

Confira imagens realizadas pela Tchê Esportes, do trabalho do Núcleo Inter Norte, do Projeto Genoma Colorado.


#futebol #noticias

0 visualização