• Andréa Rodrigues

ACH e Metodista têm desfalques para o jogo desta quinta


Equipes sem jogadoras importantes pelo Super Paulistão Feminino de Handebol.


Mara, Amanda e Jay, da ACH (em cima) e Bárbara, Dayane e Célia, da Metodista (embaixo), desfalcam seus times. (arte Tchê Esportes)

A Associação Campineira de Handebol (ACH) joga em casa nesta quarta-feira (14/mai) contra a líder Metodista pelo Super Paulistão Feminino de Handebol. A equipe vem de derrota contra São José e CEPE/Santos e tem a difícil missão de parar a líder invicta do campeonato. A partida acontece no ginásio Rogê Ferreira, em Campinas (SP).

As duas equipes têm desfalques importantes para a o jogo. A Metodista tem um elenco de muita qualidade, mas joga desfalcada de três de suas jogadoras, todas pontas, convocadas para a fase de treinamento da Seleção Brasileira Feminina de Handebol. Célia, Bárbara e Dayane se apresentaram na manhã desta quarta (14/mai) em São Caetano do Sul (SP) junto com outras 21 atletas que buscam vaga entre as 16 atletas que vão disputar o Panamericano de Handebol a partir do dia 21 de maio em Cuba.

A ACH informou nesta tarde por meio de uma rede social que também não terá três jogadoras: Mara, Amanda e Jay. O preparador físico Marcelo Vitorino explicou o motivo das ausências.


Marcelo Vitorino, preparador físico da ACH. (foto arquivo Tchê Esportes)

"As atletas estão acostumadas a jogar em quadra de madeira que cede mais ao movimento. Como o handebol tem muita mudança de direção e deslocamento, jogar em quadra emborrachada (dura), como aconteceu no último jogo (contra o São José), tende a segurar mais o movimento, aumentando a pressão entre a articulação, o que provavelmente causou em nossas atletas lesões nos ligamentos colateral e colateral medial."

A técnica Jaqueline de Oliveira, da ACH, trabalha com uma equipe multidisciplinar, que inclui uma psicóloga, para driblar a falta de experiência da equipe.


Jaqueline de Oliveira, técnica da ACH. (foto arquivo Tchê Esportes)

“Falta experiência. O ritmo do Paulista está forte, a equipe sabe jogar, treina forte, mas não conseguiu manter na última partida um nível competitivo que o jogo exigia”, disse à Tchê Esportes.

A equipe ainda apresenta altos e baixos, mas Jaqueline acredita no potencial da equipe e no planejamento que vem seguindo há pelos menos dois anos, quando decidiram voltar a disputar o Super Paulistão. “Conversei com a equipe e reforcei que se queremos crescer e estar entre as melhores do estado de São Paulo e do Brasil, temos que enfrentar os desafios e resolver os problemas táticos de forma eficiente.”

A psicóloga Daniela Vitorino analisa:


Daniela Vitorino, psicóloga da ACH. (foto arquivo Tchê Esportes)

"Aprender a lidar com as derrotas e o imprevisto não é um processo de apatia, mas de dedicação ao esforço de constante avaliação e busca do aperfeiçoamento. Assim como nossas vidas, em termos de desempenho são como uma montanha russa, ora estamos embaixo, ora estamos por cima. Na maioria das vezes, uma derrota traz mais lições do que a vitória"

A Metodista tem um elenco de muita qualidade, mas joga desfalcada de três de suas jogadoras, todas pontas, convocadas para a fase de treinamento da Seleção Brasileira Feminina de Handebol. Célia, Bárbara e Dayane se apresentaram na manhã desta quarta (14/mai) em São Caetano do Sul (SP) junto com outras 21 atletas que buscam vaga entre as 16 atletas que vão disputar o Panamericano de Handebol a partir do dia 21 de maio em Cuba.


Tchê Esportes

Handebol em Primeira Mão!

#superpaulistão #spf #handebolfeminino #achfeminino #noticias #ach #spf2015

1 visualização